Leve a sério ou continue onde está

Não raras vezes ouvi pessoas criticando fortemente seu próprio intercâmbio, o país de escolha, a escola de línguas, não raras vezes ouvi das mesmas pessoas sobre “arrependimento” ou falta de aproveitamento durante o curso.

Com tantas conversas, consegui observar 3 pontos em comum na maioria delas e descobri que é assim que você começa a matar seus próprios sonhos.

1 – O intercambista já sai do Brasil desinformado sobre o país e a nova cultura, não se deu ao trabalho de se planejar e acompanhar de perto o que acontece na sua nova casa. É tanta empolgação, que muitos deixam passar pontos essenciais. 

2 – O despreparo financeiro é nítido e isso faz com que a maior parte aceite ser explorado ou experiências profissionais desgastantes, afetando seu rendimento escolar e motivação. 

3 – O terceiro ponto e não menos importante é a barreira cultural que essa pessoa normalmente impõe, ou seja, foge do dia-a-dia local por conta da língua e começa a viver, morar, sair, se relacionar, apenas com brasileiros. 

Essa combinação ou até mesmo um dos pontos isolados é um verdadeiro “afundador de intercâmbio”, com isso meu caro, você voltará para o Brasil com o inglês básico e com a mente talvez mais fechada de quando partiu.

Um intercâmbio precisa ser vivido em sua total extensão, saia do Brasil consciente das suas escolhas, leia jornais do país, estude sobre os hábitos da população, sobre as leis, as vantagens e desvantagens, o clima, corte um pouco as relações com o Brasil, com a família e amigos que deixou por lá, acredite, não tenho um coração de pedra, mas ligar o Skype todos os dias se lamentando, vai fazer você perder muita coisa. Entre em lojas, pergunte preços, especificações de produto, finja estar perdido na rua, converse no trem, no taxi, no bar, na farmácia, faça um blog, escreva, leia, viva o que muitos gostariam de viver.

Não se permita ser apenas mais um com fotos bonitinhas nas redes sociais, mas que no fundo, não sabe nem uma gíria local. Fazer tudo isso não irá garantir seu sucesso, mas com certeza te deixará anos luz à frente da maioria.

Leve seu intercâmbio a sério, ou use todo o investimento para outro fim. Essa pode ser a melhor (ou pior) experiência da sua vida, depende de você fazer acontecer.

 

Acomodação

Com certeza você irá encontrar muitos relatos negativos de acomodação por aí e acredite, eles são reais, mas vou tentar passar uma “outra visão” desse mundo obscuro.

Você precisa escolher entre economizar ou ter qualidade de vida, esse ponto é indispensável para quem não quer se dar mal na hora de procurar onde morar.

Você precisa primeiro definir seus objetivos, a sua disponibilidade de morar na mesma casa com 10 pessoas e muitas delas podem ser de culturas diferentes. Eu optei por viver melhor e pra isso abri mão de gastar com muitas coisas para investir na moradia, mas isso vai de cada um.

Morar no centro: você fica perto de tudo, para quem gosta de curtir baladas é ótimo. Economiza com transporte, faz tudo a pé, a maior parte das casas e apartamentos são antigos (muitooo antigos), generalizando, possuem problemas com mofo e traças, você pagará mais pelo aluguel e não é porque estamos na Europa que tudo é lindo, no centro você terá mais chances de ver viciados, furtos, moradores de rua e por ai vai. Obs.: terá maior concentração de brasileiros e estrangeiros, seu contato com a língua nativa poderá ser menor. A chance de conhecer novas culturas é maior.

Morar fora do centro: você gasta com transporte, mas normalmente são lugares mais novos e você paga menos por isso. Terá mais irlandeses também. A foto destacada é onde moro hoje e foi tirada em Março durante o inverno (você não vê neve assim no centro rsrs), Saggart, 50 minutos do centro usando o Luas (tipo um bondinho da cidade), temos uma pequena vila com tudo o que precisamos, mercados, farmácias, pubs, centro médico, parques, shopping centre. Mas isso não serve para todas regiões afastadas okay. Aqui a vida é calma e com clima de interior, como já vivi no centro por um período, posso dizer com certeza que aqui foi minha melhor escolha.

Para entender um pouco mais, Dublin é divida por 24 distritos postais. Dublin 1 e 2 são as regiões mais centrais e “badaladas”. O mapinha abaixo fará você entender isso melhor:

list of dublin postal districts

Antes de fechar um contrato, visite a área de dia e de noite, converse com comerciantes ao redor, procure noticias no google, olhe muito bem a casa, tenha cuidado para não cair em golpes de sublocação, exiga sempre a leitura do contrato e não pense que é impossível alugar direto para você, com imobiliária, eu consegui assim que cheguei na Ilha e tenho um contrato no meu nome.

Você tem muitas opções: casa de família, residências estudantis, studios, flat, apartamentos, casas, pesquise e encontre o melhor cantinho pra você!

Encontre seu novo lar nos grupos do Facebook (classificados Dublin, por exemplo), em sites especializados ou direto com imobiliárias. Ps. Todo cuidado é pouco, nunca feche um contrato antes de ver o local, acredite, na hora do desespero muitos fazem isso e acabam caindo em golpes.

Principais sites para pesquisa de acomodação compartilhada ou indivudual:

http://www.daft.ie/

http://www.myhome.ie/

A vida aqui é uma caixinha de surpresas, mas morar bem é importante, afinal será seu novo espaço, sua nova família e amigos. Concordo que se deve economizar, mas tente não fazer disso a maior prioridade, todos precisamos de paz e energia positiva. Aqui ou em qualquer lugar do Mundo.

 

 

Aeroporto de Dublin

É fato que assim que começar planejar seu intercâmbio, duvidas (e pavor) com a imigração andaram ao seu lado, meu objetivo hoje não é detalhar sobre leis e afins, mas tentar te tranquilizar e deixar seu caminho o menos complicado possível ao chegar aqui na Ilha Esmeralda.

Logo no desembarque você passará pela imigração, uma checagem “rápida”, mas rigorosa da sua documentação. Respire fundo e se você não foi agraciado por um passaporte vermelho dirija-se as cabines Non-EU

Abaixo algumas dicas super simples que deixaram sua passagem pela imigração mais tranquila (isso vale para o aeroporto, okay?)

  • Com pelo menos 2 meses de antecedência, verifique se esta com toda documentação exigida para entrar no país. O básico são: passaporte, carta da escola, carta da acomodação, comprovação financeira, passagem de volta para o Brasil e seguro de saúde governamental, todos esses são obrigatórios (isso falando baseado na entrada de estudante no país).
  • Faça esse check-list sempre quando se sentir inseguro e não se esqueça de ler todas as informações e seus dados, uma simples letra errada pode te trazer grandes dores de cabeça.
  • Traga todos os documentos na sua mala de mão e de preferência em uma pasta separada. Quanto mais organizado e ágil você for, menos perguntas serão feitas.
  • Sim, a primeira passagem pela imigração logo no desembarque, antes mesmo de você pegar suas malas e provavelmente irão fazer algumas perguntas, venha preparado, treine isto em inglês. Normalmente são perguntas como: Quando suas aulas começam? Qual é a sua escola? Por quanto tempo você vai ficar na Irlanda? – Lembrando, meus queridos, que depende de agente para agente. Para mim não perguntaram nada, mas para o meu namorado foi um pequena entrevista. Tente não ficar apavorado, tudo é mera precaução e se não entender o que dizem, peça para que repitam mais devagar.

Todos os dias milhares de pessoas entram e saem da Irlanda, deixe o JEITINHO BRASILEIRO, fora daqui e de qualquer lugar que você for passar. Não tente mentir, trazer o que não deve nas malas ou burlar qualquer regra. Você poderá destruir seu sonho antes mesmo dele começar.

Uma coisa que fiz e me ajudou MUITO antes de chegar aqui é olhar no google o máximo de imagens e trajetos possíveis por onde eu passaria nos meus primeiros dias. Isso me ajudou a não chegar apavorada ou extremamente vislumbrada com tudo a ponto de esquecer os detalhes burocráticos. Com isso não tivemos nenhum tipo de problemas, nem na imigração, nem com acomodação ou conta do banco.

Então respire fundo e vem 🙂

 

Pontos negativos Irlanda

Comece colocando uma coisa na sua cabeça: Intercâmbio não é férias! Se conseguir entender isso, terá meio caminho andado. Deixe de lado aquela ilusão que viver em outro país é apenas sonhos e grandes aventuras, sim, com certeza TAMBÉM é, mas o fato é que a adaptação à língua, a cultura, ao clima e a sua nova vida, pode ser muito mais desgastante do que você imagina, então prepare-se para isso meu jovem.

Antes de sair do Brasil, procure pontos negativos do seu novo lar, pesquise sobre as melhores e piores regiões, a vida noturna, o preconceito contra estrangeiros, a dificuldade de arrumar emprego, e acredite isso não é para você desistir, mas para que você venha consciente e tenha uma adaptação menos dolorosa.

Vou ser mais clara tentando citar alguns detalhes do minha doce Irlanda, que muitos brasileiros chegam aqui, sem saber do que estou falando:

  • No centro da cidade você verá sujeira pelas ruas, paredes pixadas, locais depredados pessoas bêbadas e mal educadas. Europa não é perfeita!
  • Tem locais impossível de morar, ou são prédios muitos velhos ou para economizar lotam a casa de gente .
  • Muitas nacionalidades convivem em um mesmo local, a cultura do seu colega de quarto, pode não te deixar feliz. Já pensou em tomar banho 1 vez por semana?
  • O estrangeiro tem mais dificuldade para conseguir um emprego e quando consegue o salário normalmente é inferior ao “justo” ou existe exploração descarada.
  • Sobre segurança, o centro da cidade sofre com vários furtos realizados por adolescente ou dentro de boates, nada tão grave como vemos no Brasil, mas não dê bobeira.
  • Se ter muitos brasileiros é um problema para você, vai se preparando, até hoje 90% dos locais que entro, tem um funcionário brasileiro, tem regiões, baladas, mercados, cafés e restaurantes só de brasileiros e para brasileiros.
  • Tem uma galera bem do mal aplicando golpes e levando seu euro valioso, não dá pra confiar em todo mundo.

Anyway, esses são alguns detalhes observados, maaaas nada disso tirou o brilho do meu intercâmbio, afinal eu já sabia de tudo isso (a internet é uma linda), sendo assim todas as vezes que me deparei com situações difíceis, já não me assustava em contrapartida, vi muitos colegas desistindo de tudo e voltando para o Brasil.

Predios Liffey

Use todas suas pesquisas como base para sua adaptação. Todos esses pontos não mudaram o rumo dos meus sonhos, não me fizeram ser mais fraca, mas fizeram que eu estivesse mais preparada e pronta para tudo. Não desista, saía da caixa e seja feliz, em qualquer lugar do Mundo.

Desbravando a Ilha: Phoenix Park

A vida na Irlanda, pode ser tranquila e de muita qualidade se você quiser que assim seja, sim, porque se você optar por uma vida agitada cheia de pubs de segunda à segunda você também terá, como sou do tipo “caseira”, me apaixonei pelo lado mais “calmo” da Irlanda.

Começando a saga de lugares onde ir, temos o enorme e lindo Phoenix Park em Dublin, com ótima localização, ele é duas vezes maior que o Central Park de Nova York e foi inaugurado em 1662, na época ele era beeem maior.

Uma das principais atrações do parque são os fofos cervos, são mais de 300, que vivem tranquilamente em uma grande área aberta para o publico, você pode alimenta-los (com consciência) e observa-los nas floresta e campos.

Dentro do Phoenix Park você também pode encontrar outras atrações e deixar seu passeio mais completo. Temos a “Áras an Uachtaráin” ou Casa do Presidente que já acolheu a Rainha Vitória da Inglaterra e hoje é o lar da atual presidente, o Zoo de Dublin, o Wellington Monument que homenageia as vitórias do Duque de Wellington, a Cruz Papal que celebra a Missa de João Paulo II em 1979, o Magazine Fort, um antigo forte onde eram guardadas armas do exército irlandês, além de centro de visitação, um pequeno castelo, muitos lagos, playground, área para pratica de esportes e paisagens lindas para aproveitar seu dia.

Saiba mais no site oficial: http://www.phoenixpark.ie/

phonix park map

Reserve um dia inteiro para a visita! Vale realmente a pena, só não esqueça de olhar a previsão antes, essa sim é nossa “grande inimiga” na Ilha Esmeralda.

Enjoy your day 🙂

Trabalhar é preciso, I know.

Um pouco antes de vir para a Irlanda sai do meu tão amado emprego no Brasil, mas amado de verdade. Uma multinacional na qual eu realmente acreditava nos valores, nas ideia, nos projetos, eu respirava aquela empresa. Então porque fui embora e larguei tudo?

Para responder essa perguntar, as vezes, eu preciso pensar novamente. A primeira resposta: Eu precisava melhorar meu inglês se quisesse continuar uma carreira em uma multinacional. Porém, a realidade é no fundo eu queria uma vida diferente, uma cultura nova, um lugar seguro para começar minha família, mas pensar em nunca mais voltar para o Brasil me dava arrepios (e ainda dá).

Ahh como é difícil sair de casa e pensar que vamos fazer uma limpeza, cuidar de crianças, trabalhar em restaurantes lotados, não desmerecendo esses jobs, mas para quem já conheceu o outro lado da moeda, realmente não é fácil.

Dia após dia eu tento melhorar meu inglês e me adaptar as reais necessidades do mercado estrangeiro, faço cursos on-line pagos ou não, converso com especialista, olha e aplico para vagas todos os dias, mas para quem é de Humanas, ou você tem inglês fluente ou “volte mais tarde”.

Anyway, a dica é para que você nunca pare de sonhar e procurar formas de crescer, isso fará diferença na sua vida em qualquer lugar do Mundo. Já pensei em desistir, mas me apego as coisas boas que acontecem todos os dias e isso faz toda a diferença.

Prepare-se para subempregos, prepare-se para tudo! Seja realista, seja sonhador e torça também para que em breve eu possa postar novas noticias sobre my new job in Ireland.

Have courage and be kind 🙂

10 coisas que aprendi na Irlanda

Experiências são sempre bem-vindas, mas viver uma vida inteiramente nova no estrangeiro é gratificante. Aqui temos uma pequena lista sobre nossa doce Irlanda e tudo que observei logo que cheguei aqui, seven months ago.

  1. As casas não possuem ralos (lavar um banheiro é uma tortura)
  2. Os interruptores de luz ficam do lado de fora dos banheiros (questões de segurança)
  3. Água quente só se você tiver um bom boiler em casa (uma “caldeira” que esquenta a água em horários pré-determinados por você)
  4. Esqueça o guarda-chuva! Ventos fortes não perdoam nenhum. Capa de chuva é sua amiga agora.
  5. Aqui não pagamos pelo consumo de agua, totally free (estão tentando mudar isso)
  6. As empresas pagam por semana e não por mês como no Brasil.
  7. Você acostuma logo a dizer SORRY para tudo, até se trombar em um poste. Educação se vê por aqui.
  8. Cuidado com os jovenzinhos de moletom, eles podem tacar ovos em você só por diversão.
  9. TV aberta e publica tem taxa também, 150 euros por ano.
  10. Tem castelo lindo, portas coloridas, história e parque pra todo lado  ❤

Mas acreditem, eu amo tudo que vivo e descubro aqui.

Antes de fugir, pense!

Eu sei que a ideia de sair do Brasil, fugir da crise, dos problemas, da insegurança e todo aquele pacote que nós brasileiros já conhecemos muito bem, é tentadora. Porém, pense e pense muito antes de tomar essa decisão.

Repito sempre: “Intercâmbio não é férias”, sim ainda estou no meio do meu intercâmbio e no processo de lutando para imigrar. Caraca, como as coisas aqui são difíceis e quanto menor for o seu nível de inglês (no caso da Irlanda) pior vai ser o começo (leia-se primeiro ano).

Resumindo, se você for do tipo família super unida, ama praia, sol, não vive sem churrasco e amigos, adora aquele arrocha, não vive sem andar de carro, não tem maturidade para limpar uma privada, lavar pratos ou cuidar de crianças, acho melhor começar a imaginar sua linda vida apenas na nossa terrinha.

Todos os dias, vejo pessoas voltando para o Brasil, jogando pro alto o investimento que fez e desistindo de tudo aqui pelos motivos que citei acima e é muito mais comum que você imagina. Ou seja, se você não está preparado para sair da sua zona de conforto, não saia! Respire fundo e planeje-se, até porque os que realmente conseguem imigrar, são raros, mas se você vier e dedicar-se este pode ser o ano mais incrível da sua vida. Então, pense e repense, por você e por todos que você ama.

First

Muito prazer, Débora.

E é assim que inicio minha saga de “aspirante à blogueira”. Estar morando fora do Brasil já é um bom motivo para escrever todos os dias sobre as experiências que essa vida pode proporcionar, mas a ideia aqui é também divulgar minhas paixões, trabalho e porque não desenrolar assuntos que poderão render boas conversas.

Sou uma mulher com fases de menina que escolheu a Comunicação como principal paixão e por meio dela, descobriu o valor das pessoas, das redes sociais, do design e de quebra ganhei de brinde um mente mais aberta e inquieta. De tanto pensar fora da caixa, hoje estou na Irlanda e para quem agora pensou “nossa, que bom viver fora do Brasil”, okay, concordo em partes, mas sobre isso falaremos mais tarde 😉

Agora para você, meu caro jovenzinho que sonha com a vida de gringo, deixo meu e-mail pessoal para conversamos (deborasouza.mkt@gmail.com), quero te ajudar a desmistificar a idea de vida no exterior e mostrar caminhos possíveis para as coisas realmente acontecerem, ask me just about Ireland, of course!

Enjoy your life!