Leve a sério ou continue onde está

Não raras vezes ouvi pessoas criticando fortemente seu próprio intercâmbio, o país de escolha, a escola de línguas, não raras vezes ouvi das mesmas pessoas sobre “arrependimento” ou falta de aproveitamento durante o curso.

Com tantas conversas, consegui observar 3 pontos em comum na maioria delas e descobri que é assim que você começa a matar seus próprios sonhos.

1 – O intercambista já sai do Brasil desinformado sobre o país e a nova cultura, não se deu ao trabalho de se planejar e acompanhar de perto o que acontece na sua nova casa. É tanta empolgação, que muitos deixam passar pontos essenciais. 

2 – O despreparo financeiro é nítido e isso faz com que a maior parte aceite ser explorado ou experiências profissionais desgastantes, afetando seu rendimento escolar e motivação. 

3 – O terceiro ponto e não menos importante é a barreira cultural que essa pessoa normalmente impõe, ou seja, foge do dia-a-dia local por conta da língua e começa a viver, morar, sair, se relacionar, apenas com brasileiros. 

Essa combinação ou até mesmo um dos pontos isolados é um verdadeiro “afundador de intercâmbio”, com isso meu caro, você voltará para o Brasil com o inglês básico e com a mente talvez mais fechada de quando partiu.

Um intercâmbio precisa ser vivido em sua total extensão, saia do Brasil consciente das suas escolhas, leia jornais do país, estude sobre os hábitos da população, sobre as leis, as vantagens e desvantagens, o clima, corte um pouco as relações com o Brasil, com a família e amigos que deixou por lá, acredite, não tenho um coração de pedra, mas ligar o Skype todos os dias se lamentando, vai fazer você perder muita coisa. Entre em lojas, pergunte preços, especificações de produto, finja estar perdido na rua, converse no trem, no taxi, no bar, na farmácia, faça um blog, escreva, leia, viva o que muitos gostariam de viver.

Não se permita ser apenas mais um com fotos bonitinhas nas redes sociais, mas que no fundo, não sabe nem uma gíria local. Fazer tudo isso não irá garantir seu sucesso, mas com certeza te deixará anos luz à frente da maioria.

Leve seu intercâmbio a sério, ou use todo o investimento para outro fim. Essa pode ser a melhor (ou pior) experiência da sua vida, depende de você fazer acontecer.

 

Alugando carro na Irlanda

Depois de 8 meses, finalmente saímos da condição de estudante que usa apenas bus e LUAS e finalmente pegamos 7 dias de holidays para fazer uma pequena Road Trip pela Irlanda, sobre ela e nossos dias incríveis eu falarei em outro post, então vamos ao que interessa: ALUGUEL DE CARRO. Folks, não só é possível e como é fácil fácil.

Então explicarei como foi o aluguel 🙂

  • Primeiro entramos no site da Rental Cars e escolhemos um Astra pela empresa Budget, que no momento era a que apresentava as melhores condições.
  • Pagamos pelo site apenas o aluguel do carro, que saiu em torno de 12 euros por dia. É muito importante que você não opte por nenhum tipo de seguro no site, assim você não precisará deixar um “depósito” de 1300 euros pelo cartão de crédito. 
  • A retirada do carro foi super rápida e com um atendente muito atencioso, chegamos no balcão da empresa localizado no aeroporto de Dublin.
  • Foi solicitado apenas a CNH do meu namorado e preenchemos um papel com nosso endereço e telefone.
  • O seguro do carro é o seguinte: ou você deixa um número de cartão de crédito que deve ter um limite disponível de 1300 euros que ficará bloqueado até devolver o carro, se devolver o carro todo certinho, eles devolvem todo esse valor OU você paga no débito o valor de aproximadamente 29 euros por dia (varia de carro para carro), mas esse valor NÃO será devolvido. Optamos por pagar por dia, já que o medo era darem qualquer desculpa e não devolver os 1300.
  • Além disso tem o valor do tanque cheio, nosso caso saiu por 107.00 euros, mas todo valor foi devolvido já que devolvemos o tanque cheio também.

Enfim, foi uma história de amor pelo carro durante esses 5 dias, depois de tanto tempo não sabendo o que é ter esse “luxo”. Então, aproveitem a vibe quando estiverem afim de fugir. As estradas da Irlanda além de linda são muito bem conservadas. Vale tanto a pena, que já estamos com mais uma road trip programada para o próximo bank holiday 😉

car day 1

 

 

 

Pontos negativos Irlanda

Comece colocando uma coisa na sua cabeça: Intercâmbio não é férias! Se conseguir entender isso, terá meio caminho andado. Deixe de lado aquela ilusão que viver em outro país é apenas sonhos e grandes aventuras, sim, com certeza TAMBÉM é, mas o fato é que a adaptação à língua, a cultura, ao clima e a sua nova vida, pode ser muito mais desgastante do que você imagina, então prepare-se para isso meu jovem.

Antes de sair do Brasil, procure pontos negativos do seu novo lar, pesquise sobre as melhores e piores regiões, a vida noturna, o preconceito contra estrangeiros, a dificuldade de arrumar emprego, e acredite isso não é para você desistir, mas para que você venha consciente e tenha uma adaptação menos dolorosa.

Vou ser mais clara tentando citar alguns detalhes do minha doce Irlanda, que muitos brasileiros chegam aqui, sem saber do que estou falando:

  • No centro da cidade você verá sujeira pelas ruas, paredes pixadas, locais depredados pessoas bêbadas e mal educadas. Europa não é perfeita!
  • Tem locais impossível de morar, ou são prédios muitos velhos ou para economizar lotam a casa de gente .
  • Muitas nacionalidades convivem em um mesmo local, a cultura do seu colega de quarto, pode não te deixar feliz. Já pensou em tomar banho 1 vez por semana?
  • O estrangeiro tem mais dificuldade para conseguir um emprego e quando consegue o salário normalmente é inferior ao “justo” ou existe exploração descarada.
  • Sobre segurança, o centro da cidade sofre com vários furtos realizados por adolescente ou dentro de boates, nada tão grave como vemos no Brasil, mas não dê bobeira.
  • Se ter muitos brasileiros é um problema para você, vai se preparando, até hoje 90% dos locais que entro, tem um funcionário brasileiro, tem regiões, baladas, mercados, cafés e restaurantes só de brasileiros e para brasileiros.
  • Tem uma galera bem do mal aplicando golpes e levando seu euro valioso, não dá pra confiar em todo mundo.

Anyway, esses são alguns detalhes observados, maaaas nada disso tirou o brilho do meu intercâmbio, afinal eu já sabia de tudo isso (a internet é uma linda), sendo assim todas as vezes que me deparei com situações difíceis, já não me assustava em contrapartida, vi muitos colegas desistindo de tudo e voltando para o Brasil.

Predios Liffey

Use todas suas pesquisas como base para sua adaptação. Todos esses pontos não mudaram o rumo dos meus sonhos, não me fizeram ser mais fraca, mas fizeram que eu estivesse mais preparada e pronta para tudo. Não desista, saía da caixa e seja feliz, em qualquer lugar do Mundo.

10 coisas que aprendi na Irlanda

Experiências são sempre bem-vindas, mas viver uma vida inteiramente nova no estrangeiro é gratificante. Aqui temos uma pequena lista sobre nossa doce Irlanda e tudo que observei logo que cheguei aqui, seven months ago.

  1. As casas não possuem ralos (lavar um banheiro é uma tortura)
  2. Os interruptores de luz ficam do lado de fora dos banheiros (questões de segurança)
  3. Água quente só se você tiver um bom boiler em casa (uma “caldeira” que esquenta a água em horários pré-determinados por você)
  4. Esqueça o guarda-chuva! Ventos fortes não perdoam nenhum. Capa de chuva é sua amiga agora.
  5. Aqui não pagamos pelo consumo de agua, totally free (estão tentando mudar isso)
  6. As empresas pagam por semana e não por mês como no Brasil.
  7. Você acostuma logo a dizer SORRY para tudo, até se trombar em um poste. Educação se vê por aqui.
  8. Cuidado com os jovenzinhos de moletom, eles podem tacar ovos em você só por diversão.
  9. TV aberta e publica tem taxa também, 150 euros por ano.
  10. Tem castelo lindo, portas coloridas, história e parque pra todo lado  ❤

Mas acreditem, eu amo tudo que vivo e descubro aqui.

Antes de fugir, pense!

Eu sei que a ideia de sair do Brasil, fugir da crise, dos problemas, da insegurança e todo aquele pacote que nós brasileiros já conhecemos muito bem, é tentadora. Porém, pense e pense muito antes de tomar essa decisão.

Repito sempre: “Intercâmbio não é férias”, sim ainda estou no meio do meu intercâmbio e no processo de lutando para imigrar. Caraca, como as coisas aqui são difíceis e quanto menor for o seu nível de inglês (no caso da Irlanda) pior vai ser o começo (leia-se primeiro ano).

Resumindo, se você for do tipo família super unida, ama praia, sol, não vive sem churrasco e amigos, adora aquele arrocha, não vive sem andar de carro, não tem maturidade para limpar uma privada, lavar pratos ou cuidar de crianças, acho melhor começar a imaginar sua linda vida apenas na nossa terrinha.

Todos os dias, vejo pessoas voltando para o Brasil, jogando pro alto o investimento que fez e desistindo de tudo aqui pelos motivos que citei acima e é muito mais comum que você imagina. Ou seja, se você não está preparado para sair da sua zona de conforto, não saia! Respire fundo e planeje-se, até porque os que realmente conseguem imigrar, são raros, mas se você vier e dedicar-se este pode ser o ano mais incrível da sua vida. Então, pense e repense, por você e por todos que você ama.